terça-feira, 21 de setembro de 2010

Cruzamento: Pintassilgo x Canária = Pintagol

(PINTAGOL CINZA/AZUL)



Prezados seguidores,

tenho recebido diversos pedidos de informações acerca da hibridação de canários, principalmente sobre a mais comum, que se dá do cruzamento do pintassilgo com a canária, que origina o pintagol. Atento a tais pedidos vou, então, contar um pouco dessa história  e sugerir algumas dicas.

Sabe-se que desde o século passado já era comum, na Europa, o cruzamento de aves de espécies diferentes, existindo, dessa época, relatos a respeito do pintagol, fruto, como já dito, do cruzamento do pintassilgo com a canária.  Vários são os motivos que levam ao cruzamento destas distintas espécies, sendo de se destacar, dentre eles a incontrolável curiosidade das pessoas para saber o resultado do cruzamento, a busca por animais belos e a paixão pelo canto, já que o pintagol é uma excelente ave de canto.

Os filhotes originados do acasalamento, como já dito, nascem híbridos, sendo, portanto, inférteis tanto as fêmeas quanto os machos. As fêmeas muitas vezes são doadas ou criadas por aqueles que admiram cores. Os machos, por sua vez, são de grande valor, em razão do lindo canto que atrai a admiração das pessoas.

A maior parte dos questionamentos está ligada à cor da canária, existindo, ainda, dúvidas a respeito da necessidade de uma cor específica para o acasalamento. A cor da canária não influencia no acasalamento, devendo ser específica na hipótese de o criador procurar um tom determinado. Um dos cruzamentos mais procurados é o da canária branca com o pintassilgo, cujo resultado será o pintagol azul, por sinal, muito bonito. Já o cruzamento da canária amarela com o pintassilgo dará origem a pássaros da cor amarela, com pintas pretas, aves também maravilhosas. Portanto, a cor da canária fica a critério do criador.

O acasalamento entre o pintassilgo e a canária não é muito diferente daquele ocorrido comumente entre canários. Contudo, é preciso selecionar bem, tanto a canária quanto o pintassilgo, a fim de se evitar o surgimento de doenças no plantel. Assim, sugiro a seleção de um pintassilgo saudável e que esteja cantando vigorosamente e canárias pequenas para facilitar o acasalamento. De se ressaltar que, algumas pessoas cortam o rabo da canária para facilitar o acasalamento, mas não me agrada tal prática, pois, quando se procede desta forma, expõe-se o bulbo que acaba ficando sujeito à penetração de parasitas que podem adoecer a fêmea.

O corte da pena, deixando exposto o bulbo com pontas, poderá resultar, ainda, em ferimentos no macho durante o acasalamento, levando, em alguns casos, até mesmo a infecções. No que diz respeito à virgindade das aves, nenhuma importância tem para o acasalamento, já que estando os dois pássaros dispostos este ocorrera naturalmente.
Quanto ao procedimento para o cruzamento, deve-se colocar o casal, por cerca de 10 (dez) dias, em uma gaiola separada por divisória. Passado esse período, tire a divisória que, com o tempo, o acasalamento ocorrerá. Evite deixar o casal perto de algum canário que esteja cantando com vigor, pois a fêmea se encanta pelo canto e ao perceber que este (canto) não vem do seu parceiro, o pintassilgo, poderá não aceita-lo. Após o acasalamento e a postura do primeiro ovo, no período de 13 a 15 dias, nascerão os filhotes que deverão receber os mesmos cuidados daqueles originados do cruzamento entre canários. Algumas fêmeas de canário não aceitam o pintassilgo, o que obrigará o Criador a trocar esta fêmea, não sendo este fato, contudo, um motivo para desestimular o acasalamento, pois, lembrem-se: a arte da criação deriva da paciência e consiste no amor.

Quaisquer dúvidas deixem suas perguntas no ‘blog’ que, o mais breve possível, tentarei esclarecê-las.


Desejo a todos sorte e sucesso,

Um grande abraço.

Saudações ornitófilas.

Luiz Eduardo F. Castro (Criador) Graduando em zootecnia.

sábado, 18 de setembro de 2010

A formação da cor do canário

(LIPOCROMO AMARELO MOSAICO VERMELHO)

Conforme é do conhecimento geral, a cor do canário é formada basicamente por lipocromo e melaninas. Mas, afinal de contas, o que são lipocromo e melaninas?

LIPOCROMOS

Os lipocromos são formados por pigmentos chamados carotenóides que podem ser do tipo carotenos e xantofilas. Pelo tipo de lipocromos os canários podem ser:

* Amarelo e Amarelo Marfim, pela origem dos canários ancestrais;
* Vermelho e Vermelho Marfim, pela hibridação com o Tarim da Venezuela;
* Branco e Branco Dominante, pela ausência total de qualquer tipo de lipocromo.

Ao contrário, a cantaxantina, que não existe na alimentação normal do canário, tem que ser adicionada. É depositada diretamente nas penas, não formando reservas no organismo. Se o fornecimento for suspenso, as penas em crescimento se tornarão mais claras, daí a necessidade da adição continuada da cantaxantina na alimentação, ao menos durante o período da muda.

ALIMENTAÇÃO X DEPÓSITOS DE LIPOCROMOS

Sendo os depósitos de lipocromo diretamente influenciados pela alimentação, podemos alterar a cor original do canário, definida por seu patrimônio genético, manipulando a alimentação. Alguns exemplos:

As verduras contém pigmentos vegetais, especialmente a zeaxantina, com a forte tendência a dourar nossos canários amarelos, afetando negativamente a qualidade do lipocromo. Quanto mais verde, mais zeaxantina a verdura contém. É interessante ressaltar que, no caso do fator marfim, este efeito é benéfico à cor. Ao invés de dourar o canário amarelo marfim, o excesso de zeaxantina intensifica sua cor. O uso de um lipotrópico, produtos com base em cloreto de colina e metionina, que atue sobre o fígado, acelerando o metabolismo, intensifica a deposição do lipocromo, melhorando a cor.

A gema do ovo, o milho amarelo, o gérmen de trigo, a alfafa (muito pouco usado na ração de canários), contém muita zeaxantina, daí provocar os mesmos efeitos que as verduras frescas quando fornecidas em excesso.

Os carotenóides competem com a cantaxantina na coloração dos canários vermelhos, daí a recomendação de se evitar rações ricas em outros carotenóides quando da muda de canários desta cor.

A luteína é abundante nas sementes

MELANINAS

Teorias mais modernas reconhecem 3 tipos de melanina: Eumelanina Negra, Eumelanina Marron e Feomelanina. As melaninas são formadas no organismo e depositadas nas penas por processos internos, diretamente ligados à Tirosina, um aminoácido presente no sangue dos canários. A Tirosinase, enzima que participa do processo de oxidação da Tirosina, fabrica uma molécula em forma de oito, que associada à presença da enzima Tirosinase e a intensidade da melanização é diretamente proporcional à quantidade de Tirosina disponível no processo de oxidação. Os processos de polimerização vão determinar a formação da Eumelanina Negra, Eumelanina Marrom e/ou Feomelanina.

ALIMENTAÇÃO X DEPÓSITOS DE MELANINA

Como o processo de melanização não depende diretamente da alimentação, não há como influenciar diretamente os depósitos.

Aditivos comerciais disponíveis no comércio de produtos para canários, que oferecem intensificação da melanização pela sua adição à alimentação foram testados e nenhum resultado significativo foi detectado.

É evidente que fornecendo-se alimento que intensifique o brilho da plumagem, por exemplo, esta mostrará melhor as melaninas do canário, bem como seu desenho, tornando-o melhor aos olhos dos apreciadores.

Assim a recomendação neste momento é fornecer um teor maior que o normal de lipídeos durante a muda para tornar a plumagem mais sedosa, com mais brilho e assim demonstrar melhor o tipo do canário.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Canários de concurso: características ideais.

(AMARELO INTENSO)




A importância de se participar de concursos, qualquer que seja a raça ou animal que criemos, deve ser para todos nós uma evidência.
Se não participamos, não nos comparamos aos outros e deixamos de fazer o progresso que necessitamos. A troca de experiência e a visita a outros criadores são também indispensáveis.
Para participarmos bem dos  concursos, devemos planificar nossos cruzamentos, para que os produtos obtidos tenham a maior probabilidade possível de se aproximar do padrão procurado. 
No caso dos Canários de Cor podemos dividir as características necessárias aos pássaros de concurso em dois grandes grupos:
I - Características gerais - comuns a todas as cores.
II - Características específicas - indispensáveis a cada cor em particular.

CARACTERÍSTICAS GERAIS

a) Plumagem
Dentro do grupo das características gerais, a plumagem é sem dúvida a mais importante. Não apenas pelo maior número de pontos a ela atribuídos, mas é porque através da "boa" plumagem que as demais qualidades do pássaro se exprimem. "Boa" plumagem significa, antes de mais nada, plumagem adequada.
A plumagem adequada à determinada cor pode não ser a recomendada para uma outra.
Exemplificando: um bom Féo expressa mais melanina marrom se sua plumagem for ligeiramente longa. Já um bom verde expressará melhor suas qualidades através de uma plumagem bem curta, pois sendo bem curta a plumagem certamente mostrará menos feomelanina.
Assim, no item plumagem devemos para cada cor planejar nossos acasalamentos no sentido de obtermos os melhores resultados.

b) Forma
Praticamente, nenhum pássaro chegará a ser um campeão (90 pontos) sem uma boa forma, ou pelo menos uma forma aceitável.
A forma é uma das características hereditárias mais facilmente transmissível.
É comum reconhecermos na prole a forma dos genitores, ou de um deles. Portanto, prestar uma atenção especial à forma dos nossos reprodutores e à sua origem.

c) Tamanho
Esse é o item que permite boa margem de trabalho ao criador. Para aproveitarmos determinadas características de um pássaro, podemos compensar sua eventual falta de tamanho por um cruzamento adequado com um pássaro maior. No entanto, não podemos nos iludir: um campeão precisa de pontos preciosos no item tamanho.

d) Elegância
Normalmente, se não dermos a devida atenção à elegância de nossos-reprodutores, sua docilidade dentro da gaiola e seu comportamento, certamente teremos surpresas desagradáveis com a pontuação de nossos pássaros. A elegância e o comportamento são características hereditárias e poucos criadores levam isso em consideração. É doloroso para um criador ver um pássaro, que em outros aspectos é muito bom, perder pontos por excesso de nervosismo dentro da gaiola, por excesso de apatia ou por ser morfologicamente desajeitado.

CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS
Elas variam em função da cor em questão. Seria impossível tratar aqui todas, já que são muitas as séries de cores e que cada série tem suas particularidades. Mas tomemos como exemplo quatro séries clássicas:

• Série dos Negro-Marrons Oxidados (Azuis, Verdes e Cobres)
"Origem de tudo", os negro-marrons oxidados necessitam de características bem precisas para terem chances em concursos. A primeira exigência é, sem dúvida, a oxidação. Por melhores que sejam suas outras qualidades, um negro-marrom oxidado (verde, azul ou cobre) jamais será um campeão sem uma boa oxidação. Oxidação generalizada, profunda (incluídas aqui as partes córneas) estrias bem negras e largas e ausência de feomelanina visível são os fundamentos para o pássaro ideal.
Para ajudar na expressão dessas qualidades desejadas, a plumagem deve ser curta e assentada ao corpo, facilitando assim a formação de estrias,  particularmente a dos flancos. Para os pássaros destinados aos concursos devemos garantir um mínimo de exposição ao sol, pois os raios solares melhoram a expressão de oxidação.

• Série dos Negros-Marrons Diluídos (Ágatas)
Nos ágatas, a expressão das marcas melânicas (estrias) é ainda mais importante, visualmente para o juiz, que na série precedente. Um bom ágata, seja ele que cor de fundo for, deve ser "diluído" mas guardar suas estrias o mais negro possível. Estrias bem negras e finas valorizam qualquer ágata.
Devemos, portanto, prestar particular atenção à cor das estrias. Qualquer esmaecimento da cor negra é prejudicial ao bom ágata.

• Série dos Marrons Oxidados (Canelas)
Essa é a única das quatro séries clássicas em que um pouco de feomelanina pode ser benéfica ao conjunto do pássaro de concurso. Um pouco - o justo necessário para "escurecê-lo" sem prejudicar a boa expressão das estrias do canela, que devem ser largas e de uma cor marrom a mais profunda possível. Dosar o bom equilíbrio não é muito difícil, já que apresentam um manto quase sem feomelanina e também tendem a ser menos oxidados e apresentar estrias de uma cor menos escura. Contrariamente aos negro-marrons oxidados, os canelas para concurso não devem ser expostos aos sol com freqüência, pois o sol diminui o marrom.

• Série dos Marrons Diluídos (Isabelinos)
Nessa série, a diluição é a qualidade fundamental. O pássaro deve mostrar seu desempenho por inteiro (dorso e flancos), mas deve ser um desempenho de cor marrom diluída. Quanto maior for a qualidade de feomelanina, melhor será a aparência para concurso. Contrariamente aos canelas, os isabelinos beneficiam-se da exposição ao sol.
Ainda no sentido de obtermos um manto com a menor quantidade possível de feomelanina, devemos buscar uma plumagem curta e aderente para cada série. Ao contrário da série dos ágatas, os isabelinos de concurso podem portar fatores como o pastel e o acetinado, sem prejuízo do seu fenótipo.


Texto retirado do site: http://www.criadourokakapo.com/index.php?secao=artigocor000054

Canários: Macho ou Fêmea?

(CASAL-BRANCO INTENSO)




 Esta pergunta é a que mais se faz ouvir em época de exposição ou a que antecede a formação de casais. É uma situação difícil, porque nem sempre o exemplar se apresenta em condições normais, está magro, devido a uma deficiência alimentar ou está se restabelecendo de alguma infecção, neste caso todas as barrigas são iguais. O procedimento mais comum é de assoprar as penas do abdomem e verificar se a barriga for pequena, curta, com espigão já virado para cima será macho, comprida na forma de ponta de um charuto estamos diante de uma fêmea. Os canários da linha escura além desta verificação, a quantidade de feomelanina no manto das fêmeas será sempre em maior quantidade que no manto dos machos, ou seja toda fêmea tem mais canela nas costas, faça a comparação antes de perguntar. No caso em que o macho é portador de uma mutação ligada ao sexo, a fêmea normal para essa mutação, todo filhote que nascer com a cor da mutação do pai, será uma fêmea.Nos mosaicos, no transcorrer da muda o filhote que tiver a cabeça acentuada por uma máscara característica da raça será um macho.




quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Higiene

(AZUL OPALINO)





• Água - deve ser filtrada e trocada diariamente;

• Bebedouros - devem ser automáticos, para evitar o contato das fezes com a água e lavá-los diariamente;

• Alimentos - não misturar no mesmo recipiente diversos alimentos, devem ser sempre frescos e as sementes servidas à vontade;

• Verduras - devem ser bem lavadas e servidas frescas, devemos utilizar: couve, espinafre, escarola, almeirão e chicória. NUNCA devemos utilizar alface que poderia ser fatal, provocando diarréia;

• Comedouros - devem ser lavados pelo menos uma vez por semana;

• Gaiolas - não expor às correntes de ar, devem ser colocadas em local de boa claridade;

• Higiene - mantenha a gaiola sempre limpa, para evitar o contato do pássaro com suas fezes, a maioria das pessoas utiliza o revestimento do fundo com papel ( jornal ) o que facilita a limpeza, nestes casos o fundo deve ser lavado semanalmente;

• Poleiros - devem ser limpos e desinfetado a cada 15 ou 20 dias, para evitar aparecimento de piolho;

• Banheiras - devem ser colocas pela manhã e retirada após o banho;

• Banho de Sol - Os pássaros devem ser submetidos a um banho de Sol diariamente pela manhã até às 10 horas. Caso não seja possível, deve ser submetido pelo menos 2 vezes por semana



Texto retirado do site: http://passarocanariobelga.blogspot.com/2009/04/algumas-dicas.html